De quem é a culpa?

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

O DOBRO (de Marcos Salvatore)

by Araki

Do bote de um gozo sem a carne do amor
Sinto o perigo de amar o que não possa ser amado

Desarmado, desarmado

Falando eu espero que saiba onde me pôr
Como um sol, sem noite, sem solo e sem cor

Desvairado, desvairado

Suado de um suor indolor
Eu ouço um dedilhado de som vindo de dentro
Numa amplificação correta do outro
Num lugar mudo de nós que quer falar dobrado

Desplugado, desplugado

Escorrendo dos poros, como mel
Felação das nuas luas, como dias no céu
Nosso encontro entra em netuno este mês
Dias vinte, vinte e um, vinte e dois e vinte e três

Desplumado, desplumado