De quem é a culpa?

terça-feira, 1 de março de 2011

AO MESMO TEMPO (de Marcos Salvatore)


Ser seu amigo é mais difícil de amar

A viajem disso deveria ser amor



E te dar algo em que possa se agarrar

Para o caso de um dia não nos querermos mais



Perdidos pelas noites, pelas tardes, pelos dias

Enquanto você me procura por horas



Eu sou a terceira pessoa deste poema sem rima

Um fantasma, um personagem de mangas dobradas

Depois de ter me alimentado de intenções inacabadas



Ao mesmo tempo em que aprendia a te olhar



E onde você estava?

Onde eu te amo mais agora que chegou?



Não espere por mim como outra pessoa

Esteja apenas você

Completamente