De quem é a culpa?

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

NENHUM MERGULHO É POSSÍVEL SEM SANGRAR (POR RENATO GIMENES)

O tema proposto refere-se à última frase do conto “Em todos os sentidos”, da grande escritora Maria Lúcia Medeiros.


(Trilha sonora – Friedrich Nietzsche, Piano Works; Richard Strauss, Also Sprach Zarathustra, em especial as seções "Von der Wissenschaft" e "Der Genesende")

Se é de sangue
a lição aprendida
para quem mergulha
No Abismo,
Eu devo dizer
Que estive lá,
Bem no fundo!
E mergulhei
No rio de sangue
que nele corre.

E aquele sangue abissal
Penetrou nas minhas veias
E me instalou o abismo
Quando mergulhei
Em mim mesmo.

E aquele sangue
Era escuro
Era gelado
Era sombrio
Era feio
Era feito
Veneno
Tinha efeito
Alucinógeno
Tinha desfeito
Meu mundo
Quando o tingiu
Com suas tintas
De desejo
de finitude
e de morte.

Aquele sangue
Era meu!

E, mesmo hoje,
- Depois de tantas sangrias,
Depois de tanta profilaxia, -
Algo dele ainda corre
Em mim
E me traz
À consciência
A proximidade
Do Abismo
Que multiplica-se
Pelas coisas,
Pronto
Para rachar-lhes
A superfície
E continuar
Sua lição
Sanguinolenta
A cada mergulho:

Sangra-se
Quando se abisma
Ao mergulhar no outro.

Sangra-se
Quando se abisma
Ao mergulhar no hímen.

Sangra-se
Quando se abisma
Ao mergulhar na pele.

Sangra-se
Quando se abisma
Ao mergulhar só.

Sangra-se
Quando se sabe
Que se sobrevive
Ao abismo
Quem galvaniza-se
Na dor