De quem é a culpa?

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

CONTUMAZ (de Celi Abdoral )

Trilha Sonora: Jards Macalé

Ando muito apaixonado pela Celi, mas não conheço sentir o que sinto sem viver o que sinto, por isso estou postando um poema/comentário sensacional, que revira alegria e salta pro amor; presente dela para o meu "Mergulho sem sangrar". Tomei a liberdade de também dar um título.
Beijos do Sal.


nem sabe como chegou lá
tava muito bêbada.
já foi acordar com o sol
esquentando o colchão.
levantou de mansinho,
mas, chutou sem querer,
uma carteira de cigarro amassada
que perambulava pelo quarto.
fuçou a casa na ponta dos pés
passando os dedos em tudo o que via.
(entediou-se)
decidiu voltar pra cozinha,
andava nua.
a pia tava um lixo, a casa uma bagunça;
não ligou.
catou dois copos, uma panela e um coador.
acendeu a boca do fogão com um isqueiro gasto
que só servia mesmo pra isso.
Fez café. Preto.
adoçou.
serviu os copos e levou para o quarto.
parou na porta e ficou olhando.
passou a mão na bunda dele
(deu beijinhos)
acorda vadio....
(grunido)
fiz café.
ai que ressaca, quero água.
cara a tua cozinha tá uma bagunça
e a pia um nojo (riu...)
(beijo na boca)
po-de-crê.
deu um puxão nela pro colchão
viu??também sou bom de judô,
esqueci de te dizer isso ontem.
vem cá vem.
[...]
treparam o dia todo
e por mais três dias.
o resto, a casa, a bagunça;
todas as outras coisas
ficaram lá
coaguladas na indiferença.