De quem é a culpa?

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Qual é a sua Perversão? (Por Bosco Silva)



RESUMO: O presente texto tem a finalidade de analisar o sadismo, o masoquismo e a coprofilia (sexo com fezes humanas), por meio da obra do escritor Marquês de SADE; bem como da importância destes comportamentos sexuais extremos em sua literatura e filosofia.

INTRODUÇÃO

Não raro, ouvimos comentários de alguém que conhece alguma história a respeito de um terceiro que possui comportamentos sexuais estranhos; comportamentos que não se adequam ao que se convencionou chamar de normal em matéria de sexo. Assim, ouvimos, por exemplo, histórias da mulher que adora, durante suas relações sexuais, receber, de bom grado, tapas em seu rosto, ou mordidas em seu pescoço (MASOQUISMO); do jovem que pede para usar banheiros de conhecidos para roubar calcinhas das irmãs destes (FETICHISMO); ou do sujeito que, bem vestido, frequenta o banheiro público durante horas a fim de espreitar outros homens em seus momentos íntimos, olhando indiscretamente com interesse para o órgão exposto do cidadão ao seu lado (VOYEURISMO); de outro que coleciona absorvente femininos, sujos, de baixo da cama (MENOFILIA); ou ainda do sujeito que prefere ter relações sexuais com mulheres menstruadas, fantasiando as ter desvirginado durante suas relações; etc.; tais histórias parecem serem bem mais comum do que se pensa, e com o advento da internet, com seus inúmeros materiais dedicados as mais “estranhas” formas de desejos sexuais, percebemos, definitivamente, que a quantidade de tais comportamentos superam mesmo a maior estimativa que suspeitávamos existir quanto a tais comportamentos.

SEXO E INTERNET

A internet possibilitou uma nova era de informação, facilitando e tornando acessível a muitos, informações que até então eram privilégios de poucos; divulgando ideias e novas formas de comportamentos humanos, em que, como era de se esperar, o sexo possui um lugar de destaque, com dezenas de milhares de sites dedicados a saciar a curiosidade e o desejo de centenas de milhares de pessoas. Assim, há desde sites inocentes que se dedicam a reunir futuros casais de namorados, aos dedicados a prostituição, ou encontros de casais com fins sexuais; ou ainda os dedicados ao comércio de pequenos filmes pornôs, às formas mais extremas de sexo, como os que se dedicam a mostrar sexo entre humanos e animais; sexo entre adultos e crianças; relações sadomasoquista extremas, em que a violência e a dor são os atrativos principais; sexo entre pessoas mutiladas; relações sexuais envolvendo excrementos humanos, havendo mesmo o contato e a ingestão de urina e fezes humanas durante o ato sexual, etc.

Tais sites, a contar pela grande quantidade destes, possui - contrariando o que se pensa - um imenso público, com milhares de acessos diários; sites que, sendo pagos, demonstram que há um numeroso público sedento e disposto a pagar para vê-los, não se dedicando, portanto, apenas a saciar a curiosidade casual de alguns, mas de orientar a atividade sexual de muitos. O que deve levar muitos a questionar: ATÉ QUE PONTO TAIS COMPORTAMENTOS PODEM SER CONSIDERADOS NORMAIS, NÃO DOENTIOS?

É o que se propõe analisar este artigo.

MARQUÊS DE SADE

Embora exista uma infinidade de formas sexuais extremas, algumas, certamente, ainda sem nomes, três nos interessa por estar ligadas diretamente a obra do Marquês de SADE; e que são a base de muitas outras; são elas: o SADISMO, o MASOQUISMO e a COPROFILIA. Práticas sexuais, que como podemos notar através de relatos famosos sobre a vida do nobre francês, estavam presente também em sua vida. Mas antes um pequeno resumo de quem foi SADE e de seu pensamento:

O escritor francês Donatien-Alphonse-François de SADE (1740 – 1814), mas conhecido por Marquês de SADE, foi sem dúvida uma das mais intrigantes personagens da história; tão intrigante que chega tomar, por vezes, ares de personagem ficcional, chegando mesmo ao ponto de muitos confundirem o autor com os criminosos e pervertidos personagens de sua própria obra. Assim, não raro, muitas pretensas histórias foram contadas - mesmo em sua época - e afirmadas terem ocorrido com o nobre escritor francês, como a de ter provocado por meio de seus livros, muitos assassinatos ao instigar os leitores com suas ideias criminosas; havendo mesmo a ideia de que sua obra seria capaz de destruir a alma de qualquer leitor que a lesse.

SADE passou quase a metade de sua vida em prisões e manicômios; foi capaz de ser enclausurado por três formas diferentes de governo: primeiro pela monarquia francesa, depois pelos revolucionários franceses, e, finalmente, pelo imperador Napoleão; ora preso por sua vida libertina, ora por suas obras “pervertidas”; dono de uma personalidade capaz de abarcar aspectos, à primeira vista, considerados opostos, como a genialidade de seu pensamento e literatura e uma vida marcada por comportamentos sexuais, marcadamente vistos como “doentio”, não apenas para sua época, mas mesmo para a nossa: uma época em que pessoas podem trocar de sexo, e em que os meios de comunicação é capaz de saciar a curiosidade sexual, seja ela qual for, de qualquer um que possa dispor de tais meios; mas que ainda recebe sua filosofia com desdém e preconceito. Filosofia em que SADE, por meio de seus personagens, demonstra toda complexidade e obscuridade da sexualidade humana.

Em seu romance 120 DIAS DE SODOMA, fato repetido a quase a exaustão em algumas de suas biografias, SADE relata 600 formas de comportamentos sexuais incomuns; alguns tirados de seu próprio comportamento sexual, e outros sendo fruto de relatos impessoais de terceiros ou de viajantes vindo de outras terras e países. O que demonstra a postura moderna de SADE em considerar a sexualidade humana independente de convenções sociais ou religiosas.

SADE E A NOÇÃO DE PECADO

O sexo visto como caminho de descoberta e de união entre o humano e algo que o ultrapassa, como era visto em muitas religiões e filosofias antigas, que divinizavam o sexo, como vínculo entre o humano e o divino, e que concebiam o sexo como algo natural, isento de culpa, passou a ser visto de outra forma, com a popularização da religião cristã e da sua forte ideia de pecado; que radicalmente quebrava esta união, passando a ver no sexo algo indigno do homem; reprimindo-o como algo satânico; gerando mesmo em algumas seitas cristãs, castração em massa, como entre os SKOPTSI russos do século XVIII; ou, no mais das vezes, permitindo-o apenas como ato de procriação; ideia ainda hoje professada pela igreja católica, implícita em sua proibição a todos os métodos contraceptivos, menos, claro, a abstinência sexual - como se fosse possível se excitar sexualmente apenas com a ideia de ter um filho! -; proibição sabiamente não seguida por muitos. E quando o sexo era feito sem este objetivo era taxado indiscriminadamente como horrível pecado de luxúria.

Deste modo, o que era espontâneo no homem; o que era uma característica natural isenta de maldade, passou a ser vista de forma imprópria, chegando ao cúmulo de ser proibida ou vigiada, como aconteceu com o tribunal católico da Inquisição, que julgava, prendia, torturava e condenava à morte, pessoas que não seguiam as rígidas proibições católicas sobre o sexo.

Foi contra este modo de ver o sexo que SADE se revoltou, exigindo que voltássemos a sermos senhores de nossos corpos e desejos, bem como a vermos o sexo como algo natural ao homem, isento de culpa ou proibições.

Para SADE o sexo seria aquilo que mais nos aproximaria dos animais, por isso era taxado de indigno do homem, já que estes passaram a cultuar religiões que erroneamente concebiam o homem dividido entre um lado divino e outro animal, entre um lado superior e outro inferior, sendo o primeiro procurado, estimulado e o outro evitado ou, mais das vezes, proibido. Portanto, contrariando as proibições cristãs, SADE nos ensina a não termos vergonha do sexo, procurando-o além dos limites e das proibições que nos são impostas. O que não deve ser confundido com a simples promiscuidade. Se assim fosse, SADE jamais seria um filósofo, que como todo verdadeiro filósofo busca incessantemente o conhecimento e a verdade, mas sim apenas um homem promíscuo que buscava unicamente o prazer.

SEXO DITO NORMAL

Antes de prosseguirmos, e analisarmos algumas formas extremas de sexo, convém que definamos o que se convencionou chamar de sexo normal.

O sexo dito normal nada mais é do que o sexo orientado por regras de condutas morais, com bases, em última estância, em ideias religiosas que, como visto acima, dentro da visão cristã Católica, por exemplo, permiti o sexo apenas como ato unicamente para fins de procriação; sendo proibido tudo aquilo que foge desta ideia; sendo taxado de comportamentos sexuais antinaturais. Portanto, dentro desta visão, seriam antinaturais: a masturbação; o sexo com animais; o homossexualismo tanto feminino quanto masculino; o sexo oral e anal, etc.

O “sexo normal” seria apenas uma mera convenção, um mero acordo de conduta, dependendo de interpretações pessoais e religiosas; e que, assim como as religiões, seriam relativas, sendo nenhuma mais verdadeira que a outra; e que mudaria segundo períodos de tempo, de países e culturas diferentes. Desse modo, o que em um país seria proibido como algo antinatural, em matéria de sexo, em outro seria permitido como a coisa mais normal do mundo.

A expressão “antinatural” como forma de proibição sexual, carece mesmo de sentido; não possuindo nenhum fundamento na natureza, chegando mesmo a ser contraditória, já que tudo que existe - inclusive o homem e seus desejos sexuais, por mais diferentes que possam ser - pertencem à natureza, sendo, portanto, naturais.

PARAFILIA

O que comumente se chamou perversão sexual, ou desvio sexual, ganhou modernamente um nome menos propenso a julgamentos morais ou sentido pejorativo; tais denominações passaram assim a ser substituída pelo termo PARAFILIA (embora muitos críticos afirmam ainda que tal termo continua sendo pejorativo na maioria das circunstâncias), nome dado para atividades sexuais em que o prazer sexual se concentra em atividades, ou em objetos não relacionados diretamente com o sexo, ou em gostos específicos de parceiros sexuais, como na PEDOFILIA, em que o prazer do ato sexual está em praticá-lo com crianças.

Algumas parafilias não são mais vistas como perversões, crimes ou doenças mentais, desde que não sejam capazes de substituir o sexo convencional por completo e que sejam praticadas ESPONTANEAMENTE pelo casal, sem prejuízo para ambos e terceiros; o que, claramente, neste caso, não condiz com os CRIMES de PEDOFILIA. Portanto, vemos que há tanto parafilias inofensivas quanto criminosas. Vale lembrar também que mesmo a excitabilidade sexual, obtido apenas através do mais rígido código moral, é também considerado como uma parafilia, chamada de NORMOFILIA. O que demostra que, quando se tratando de gostos sexuais, a classificação entre o que é normal e anormal é extremamente relativo; bastando lembrar que a homossexualidade e a masturbação já foram consideradas crimes e perversões, passíveis de tratamento ou de detenção.

As parafilias podem ser classificadas de acordo com o comportamento ou o objeto inserido no ato sexual, segundo normas de saúde ou critérios de sociabilidade, indo das que poderíamos classificá-las como inofensivas, passando por aquelas que classificaríamos como perigosas à saúde, às de índole violentas e mesmo criminosas.

SADISMO: da sensação de poder ao prazer sexual

No longínquo 3 de abril de 1768, num domingo de páscoa, uma bela mendiga é levada para uma suntuosa casa, com promessa de trabalho; ao chegar é trancada em um dos quartos; posteriormente, é manietada de bruços sobre uma cama; tem seu corpo chicoteado; em seguida, tem o corpo pinicado por um objeto cortante; o qual derrama múltiplas gotas de sangue, que escorrem sobre sua pele branca, entre faixas vermelhas feitas pela ponta do chicote; o sangue é estancado por pingos de cera quente que caem de uma vela, que é administrado por seu algoz, sobre suas feridas abertas. Seu algoz é um nobre francês de nome SADE.

O jovem SADE concretiza neste ato, o ápice de seu sadismo prático. O caso tornou-se conhecido como “o caso Rose Keller”.

Rose Keller o denunciará às autoridade da época, descrevendo o que está acima como o ocorrido, embora não tenha sido a mesma versão dada por SADE. Mas uma coisa é certa: SADE a teria chicoteado; costume que era tão comum em suas festinhas, e que era também administrado, com veemente exigência, por si próprio, sobre seu próprio corpo, por meio de prostitutas pagas para também fazerem este trabalho.

Tais fatos, junto com inúmeros escritos seus dedicados ao tema, originaram o termo médico SADISMO (termo dado ao prazer provindo da provocação de dor ou humilhação no outro), propagado pelo psiquiatra alemão KRAFFT-EBING; termo que também passou a ser bastante usado como sinônimo de barbárie e crueldade feitas por homens contra outros homens.

Quando se fala sobre tais assuntos, quando se lê em matérias de jornais sobre a crueldade dispendida de um humano sobre outro humano, logo a explicação que surge é que este foi tomado pela loucura, pela desrazão, pela inconsciência; como se a crueldade só pudesse existir sob a égide da loucura; é como se nós não quiséssemos reconhecer que seríamos capazes mesmo em sã consciência de atos extremos de crueldade e selvageria. Talvez esta seja uma das grandes ilusões que SADE nos ajuda a esvanecer com seus escritos. E nenhuma situação parece exemplificar melhor o que é dito do que as crueldades provocadas pelas guerras:

Nestas, homens que aparentemente pareciam conviverem em respeito mútuo, segundo leis de convivência, quando quebradas, são tomados pela barbárie, pela crueldade entre si; de modo que, diferentemente de antes, tudo parece ser permitido: estupros, infanticídio, massacres, etc. E torna-se impossível falar sobre isso sem tocar em um grande exemplo: a Alemanha nazista.

O que teria levado uma das mais ricas culturas mundiais, herdeira dos grandes valores humanistas, tida como um dos maiores exemplos de civilização, a querer eliminar povos tidos por eles como inferiores, criando campos de concentração, verdadeiras indústrias da morte, em que milhares de pessoas eram humilhadas, torturadas e por fim eram mortas, da forma mais execrável e efetiva possível, por meio de gazes venenosos que ilusoriamente saiam de chuveiros em pretensos banhos comunitários; vítimas que eram exploradas ao máximo, tendo mesmo seus corpos aproveitados como matéria prima para confecção de sabão e sandálias para o exército alemão?

Muitos serviam de cobaias para experiências macabras, como dissecação enquanto estavam vivos, ou amputação de seus membros sem anestesia; ou ainda eram jogados vivos em caldeirões com água fervente, ou expostos ao mais extremo frio, para que os médicos nazistas pudessem analisar suas reações de dor e o quanto de calor ou frio podiam suportar antes de morrerem.

E não apenas aos nazistas pode-se reconhecer este teor de crueldade, ela sempre existiu, e não somente entre povos primitivos, pois pode-se matar tanto com pedras, quanto com bombas atômicas, fruto máximo de nossa tecnologia da morte.

Ironicamente, mesmo na revolução francesa - modelo de ideal político para vários países modernos -, enquanto SADE estava preso na bastilha, por sua vida libertina, os revolucionários franceses em nome da LIBERDADE, IGUALDADE e FRATERNIDADE, massacravam milhares de pessoas pelas ruas de Paris, ou em praças públicas, decapitando-as por meio da guilhotina; ato que SADE viu várias vezes pela janela de sua cela, e que certamente influenciou-o bastante em sua escrita. Chegando ao cúmulo do abade Morellet sugerir, numa assembleia, que se colocasse à venda a carne dos guilhotinados, obrigando, por meio de lei, que todo cidadão se abastecesse num açougue nacional, pelo menos uma vez por semana.

Paradoxalmente, parecia que a razão tomava forma de insanidade, enquanto aquela se trancafiava, protegendo-se, em hospícios. O que nos leva a perguntar: afinal de contas, quem eram os verdadeiros loucos?

Mas talvez de um “louco”, como era considerado SADE, possa vir a explicação!

Para SADE o PODER É AFRODISÍACO. Isto é, é estimulante de prazer; um estimulante inerente aos homens, em menor ou maior grau, que tanto pode dar prazer a um déspota, provocando-lhe orgulho e sentimento de superioridade perante seus semelhantes, mantendo-o ao máximo no poder; como também a um assassino, que subjuga sua vítima, forçando-a a se submeter aos seus desejos; ou ainda ao prazer sexual com que um casal, que por meio de chicotes e algemas, apimentam a relação à dois com joguinhos sexuais de submissão e autoridade. Todos tendo a mesma origem: o sadismo inerente ao homem.

Sadismo e masoquismo seriam mesmo uma das maneiras pelas quais, durante a evolução do homem, a natureza fundamentara as noções de poder e autoridade; certamente noções bastante importantes para a sobrevivência do homem durante as primeiras sociedades humanas; em que a coesão do grupo era de suma importância para a sobrevivência deste, exercida indubitavelmente pela autoridade de um indivíduo: um líder. Ideia que é corroborada ainda hoje pela forte relação histórica entre poder e sexo, pois o sexo seria um dos grandes modos pelos quais o poder poderia ser exercido sobre alguém – exemplo, uma recente pesquisa estabeleceu que homens podem ter interesse despertado em mulheres de acordo com o seu tipo de carro. Donos de carros que demonstram controle e poder tornam-se mais atraentes para elas. Ou seja, assim como muitos animais que atraem as fêmeas oferecendo-lhes proteção e repelindo os machos adversários por meio da força, estes machos humanos estariam atraindo fêmeas por meio do luxo e do conforto econômico, que estes podem oferecê-las; e repelindo os outros machos de nossa espécie, por meio da demonstração de que são economicamente mais fortes. Em suma, embora mude os meios, os métodos são os mesmos para a natureza.

Por outro lado, a fundamentação da autoridade por meio da mais pura submissão - um instinto que ainda hoje predispões os homens a obedecerem aos seus líderes - explicaria, por sua vez, que homens comuns, sem nenhum instinto assassino, colaborem, em tempos de guerras, com atrocidades, e se tornem assassinos, bastando que um pequeno punhado de líderes os estimule para tanto, transferindo seus desejos e objetivos para seus subalternos. O que, por outro lado, também explica, como um país, com uma imensa tradição cultural humanista, no nível, então, mais alto de civilização, tenha submergido à barbárie nazista.

MASOQUISMO

Se o termo sadismo se originou do nome do Marquês de SADE, adepto desta forma de atividade em seus escritos e na própria vida, como já foi visto, o termo masoquismo originou-se, por sua vez, do nome de outro escritor, do austríaco Leopold von Sacher-Masoch, que em seus inúmeros livros narra personagens masoquistas. Sacher-masoch era pessoalmente um masoquista, que teve tal atividade despertada, como muito bem narra o próprio escritor: na infância, quando ao esconder-se no quarto de uma tia, no guarda-roupa desta, entre seus casacos de peles, presenciou esta tendo relações sexuais com um homem. Ao ser descoberto, foi castigado com surras por ela, enquanto estava entre os casacos de peles, o que o fez durante o resto de sua vida, relacionar dor, humilhação e casacos de peles ao sexo.

Embora a muitos pareça descabido que alguém possa obter prazer com a própria dor e humilhação, a verdade é que o prazer e a dor sempre andaram juntas, até mesmo onde menos podemos imaginar. Tomemos, por exemplo, as religiões, principalmente aquelas em que veem na dor e na humilhação, virtudes imprescindíveis a evolução espiritual e importante modo de submissão a Deus. O Cristianismo é um bom exemplo disso:

A flagelação passou a ser um ato cotidiano em muitas ordens cristãs; como um modo de mortificação do corpo e de seus desejos, geralmente desejos sexuais. Não raro, este era o modo de alcançar êxtases religiosos. Santa Tereza usava a flagelação como prática diária; através do chicote ela alcançava estados místicos de transe; São Francisco de Assis dizia: "Humilhação é o caminho para a humildade e sem humildade, nada agrada a Deus". Muitos devotos e líderes religiosos cristãos se flagelavam, e prescreviam tal prática, como São William, São Rudolph e São Dominic. Havia mesmo ordens dedicadas a tal ato, como a Seita dos Flagelantes, organizada por Santo Antônio; que ia de cidade em cidade arrecadando novos penitentes, até uma igreja, onde se flagelavam com chicotes durante horas, em seus dorsos nus; às vezes chegavam a dezenas de milhares.

Se não era por meio do chicote era pelo meio do jejum; muitas devotas tornavam-se anoréxicas, e tal atividade tornava-se muito mais consequência de tal doença do que demonstração de fé.

Não é difícil de encontrar, por exemplo, nas vidas dos santos, atos execráveis:

São João da Cruz (1542 – 1591) afirmou, certa vez, sentir prazer em lamber feridas de leprosos; Santa Catarina de Siena (1347 – 1380) afirmou não ter comido nada tão delicioso quanto o pus dos seios de uma cancerosa.

Estas palavras foram pronunciadas por pessoas que são tidas, ainda hoje, para muitos, como modelos de virtude e de bem viver.

É que as religiões tem o grande poder de transformar o que seria um ato torpe e execrável, quando não vistos com os olhos da fé, em um belo ato de devoção e sacrifício, quando inserido em seu contexto religioso. E o que é tido muitas vezes como meramente um ato de masoquismo, quando fora da religião, pode ser cultuado como virtude quando visto pelos olhos da fé.

O prazer da dor, neste caso, não estaria certamente na forma sexual, como podemos ver em SADE ou em Sacher-Masoch, mas no PRAZER DO ALÍVIO DA PASSAGEM DA CONSCIÊNCIA DO PECADO, MARCADO POR TORTURAS PSICOLÓGICAS, PARA O BEM ESTAR DA NÃO-CULPA, já que o Cristianismo, com sua forte ideia de redimir os pecados, coloca na dor, o melhor modo. E a capacidade de sentir dor sem reclamar, como uma de suas virtudes; terminando, enfim, por associar prazer e dor, dor e salvação ou a total permissão de desejos mórbidos, vistos como virtude; o que certamente estimularia ainda muito mais nossas tendências masoquistas.

Enquanto o SADISMO seria uma relação ATIVA com o poder, com a autoridade; o MASOQUISMO, por outro lado, seria uma relação PASSIVA com estas formas de atividades. Para o masoquista, figuras poderosas estariam necessariamente ligados a exigência de punição, pois tal capacidade seria a própria essência do poder delas, por isso seriam inseparáveis do castigo. O que explica, por um lado, como já foi visto, tanto a reação masoquista com relação à religião e à figura de Deus, quanto aos “prazerosos joguinhos” sadomasoquista entre amantes.

Novamente uma boa explicação para isso, como bem observou SADE, é que tanto o sadismo quanto o masoquismo, em menor ou maior grau, são tendências inerente no ser humano, à nossa origem animal.

Em 1954, um dos primeiros pesquisadores sexuais, Alfred Kinsey, constatou que mais da metade de homens e mulheres, reagiam sexualmente com prazer a mordidas: nada muito diferentes de vários animais. E, talvez, assim como, por exemplo, alguns insetos, como algumas aranhas, ou louva-deuses, em que o macho se permite, ao fim do ato sexual, ser subjugado e devorado pela fêmea, tenha também se conservado no homem a tendência a submissão no ato sexual, identificando dor e prazer. Fato que parece se repetir continuamente nas mulheres; associação que parecer ter bases biológicas, já que o papel biológico da mulher está impregnado de dor: da menstruação, ao defloramento e, consequentemente, ao parto.

SADOMASOQUISMO

É claro que um mesmo indivíduo poderia abarcar em si tanto o papel de sádico quanto de masoquista. Sua relação com a ideia de autoridade seria tanto ativa quanto passiva; ele seria ao mesmo tempo tanto algoz quanto vítima de si mesmo; assumindo a autoridade de punir a si próprio. Tal relação denomina-se de SADOMASOQUISMO.

SEXO ANAL

Porém, antes de nos debruçarmos sobre as particularidades da COPROFILIA, é de suma importância examinarmos uma prática sexual que, embora não considerada PARAFILIA, possuía uma grande importância para o nobre escritor francês: o SEXO ANAL.

SADE o praticava não apenas de forma ativa como passiva; e não apenas com homens, mas também com mulheres. Em Marselha, por exemplo, SADE é denunciado por três prostitutas por tê-las forçado a açoitá-lo; e depois ter praticado, em cada uma, sexo anal, enquanto ao mesmo tempo recebia em seu ânus o pênis de seu criado.

A preferência de SADE pelo sexo anal pode não apenas ser explicado por esta modalidade sexual unir tanto sadismo quanto masoquismo em uma mesma atividade sexual, quanto à certa dose de blasfêmia atribuída a ela. O que fez desta atividade o ápice de sua sexualidade, pois como bem observou Simone de Beauvoir, podemos dizer que toda a sexualidade de SADE é de teor anal; contendo, pois:

SADISMO - posto que o sexo anal provocaria dor no parceiro; seria a invasão mais completa da sexualidade de um pessoa sobre a outra; seria o máximo da intimidade sexual e da conquista, etc.;

MASOQUISMO - o sexo anal permitiria a subjugação do parceiro ou da parceira, até mesmo simbolicamente, por meio de algumas posições sexuais, representando a dominação de um sobre o outro; simbolizando a atividade de um sobre a total passividade do outro, etc;

TRANSGRESSÃO – o sexo anal quebraria valores, principalmente valores cristãos, como a ideia de que o sexo seria permitido apenas para fins de procriação, e a ideia de que este seria antinatural.

SADE, por meio da transgressão, transforma mesmo a blasfêmia em prazer, misturando-a ao prazer sexual; por exemplo, durante relações sexuais suas, obrigava que suas parceiras desrespeitassem símbolos cristãos. Vale notar que, em sua época, o sexo anal, mesmo praticado de modo heterossexual, era considerado crime de sodomia, passível de detenção e mesmo de morte, tendo tal lei bases cristãs. O que certamente incluiria um atrativo a mais para SADE: o perigo. Elemento com forte poder de estimulação, pois como é sabido, ainda hoje: “O que é proibido é sempre mais procurado”.

Tais elementos reunidos, pelo menos em parte, seria a própria essência do desejo pelo sexo anal, como podemos ver ainda hoje em relatos de casais, em que o parceiro pretende iniciar sua parceira em tal atividade. Para muitos destes, o sexo anal é o máximo da conquista sexual, principalmente quando tal possibilidade é tantas vezes negada pela parceira, não raro com argumentos que incluem desde que tal ato causa dor, é nojento, á afirmação de que é contra a natureza. Negativas que só fazem aguçar ainda mais o desejo do parceiro. Principalmente em uma cultura como a nossa que privilegia como modelo de beleza mulheres possuidoras de fartas e belas bundas, chegando mesmo tal atributo torna-se um meio de alcançar sucesso profissional, ou econômico, como podemos observar acompanhando carreiras de dançarinas, ou mesmo na vida cotidiana, em que grande parte dos homens bem sucedidos aparecerem nos meios de comunicação ostentando mulheres com “belos traseiros”, tornando as nádegas femininas status social.

TRANSGRESSÃO E PARAFILIA

Ao atribuir, revolucionariamente, à transgressão papel coadjuvante ao prazer sexual, e ao explorar ao extremo os prazeres do corpo, a transgressão terá papel fundamental no pensamento de SADE, como também em seus escritos. Tornando-se mesmo em muitas descrições de sexo extremo, em sua literatura, o elemento fundamental; o que parece refletir bem a realidade, já que muitos desejos sexuais extremos, praticados na realidade possuem a transgressão e o proibido como elementos fundamentais; como o sujeito que necessita da sensação do proibido, envolvendo a não permissão do outro, para excitar-se, como no caso de alguns exibicionistas que exibem seus órgãos sexuais para pessoas desavisadas, nas esquinas, em frente de escolas; em geral para pessoas estranhas ao seu convívio. O elemento de surpresa e de não permissão, que está por trás de seu ato proibido, são os elementos que o excitam. Fato que não aconteceria se fosse visto por ele, ou por outras pessoas, como algo natural e permitido. A transgressão é o princípio deflagrador e excitador de tal ato. Originando também atos modernos como comportamentos sexuais autodestrutíveis, como os praticados pelo movimento de homossexuais masculino denominado de BAREBACKE, em que o prazer sexual está em transgredir normas de saúde, possibilitando assim a transmissão e a infecção pelo vírus da AIDS, por meio do relacionamento com indivíduos desconhecidos, principalmente com indivíduos já infectados pelo vírus da AIDS, sem uso de preservativo.

COPROFILIA

COPROFILIA é a atração sexual por fezes humanas; que pode ser acompanhada, muitas vezes, por COPROFAGIA; que, por sua vez, significa o prazer sexual em ingerir fezes.

Como em todas as formas de extremismos, em que uma atitude extrema é alcançada gradativamente por meio de graus menores de extremismos, o sexo anal e a anilingua (manipulação anal por meio da língua) poderiam ser mesmo visto como um caminho que levaria do SADISMO e MASOQUISMO à COPROFILIA, já que este tenderia a proporcionar contato com fezes humanas.

Seguindo esta linha de raciocínio, a COPROFILIA seria a culminância de um processo de associações graduais, em que, a princípio, o futuro coprófilo sentiria atração normal por nádegas, e, gradualmente, estenderia seu desejo ao ânus; em seguida, movido por meio de associações e TRANSGRESSÕES graduais, teria sua atração voltada para a defecação do ser desejado; culminando, finalmente, no prazer de manusear, cheirar, ou até mesmo ingerir fezes humanas.

Há que se levar em conta também outros elementos, como o FETICHE; uma atividade profundamente simbólica, relatado mesmo por muitos praticantes de tais atividades; em que as fezes humanas ganhariam uma proporção gigantesca de simbolismos e metáforas em relação ao ser desejado. E em que o contato com as fezes seria visto como “uma oferta de profundidade do interior de um desejável corpo, tornando-o muito, muito íntimo”. Seria como um canibalismo simbólico, em que o contato com as fezes, a ingestão desta, seria como a absorção simbólica do objeto do desejo em seu grau máximo de intimidade.

Há também, sem dúvida, um ato de desafio, de proibido, em tal atividade que a muitos, em si, representaria um estímulo a mais.

Para alguns masoquistas o ato significaria submissão e auto degradação simbólica ao ser amado. Por isso, tal prática novamente teria um grande valor em comportamentos religiosos.
Aqui novamente, o que para muitos seria considerado repulsivo, tornar-se-ia um ato santo quando visto pelos olhos da fé cristã, ou não seria melhor dizer: quando visto pelo MASOQUISMO CRISTÃO? Como podemos ver em alguns casos:

Santa Marguerite-Marie Alacoque (1647-90), transformava vômitos de doentes em seu alimento; mais tarde ao ingerir fezes de uma doente, declarou que tal ato suscitava nela visões, em que esta aparecia atrelada com a boca nas chagas de Cristo.

O profeta Ezequiel, foi ordenado por Deus a comer fezes humanas: “E o que comeres será como bolos de cevada, e cozê-los-ás sobre o esterco que sai do homem, diante dos olhos deles.” Ezequiel 4:12. No entanto, este ao protestar, Deus muda de ideia, porém sem mudar de método: “Vê, dei-te esterco de vacas, em lugar de esterco de homem; e sobre ele prepararás o teu pão.” Ezequiel 4:15.

CONCLUSÃO

Como foi visto, algumas parafilias não são mais vistas como perversões, crimes ou doenças mentais, desde que não sejam capazes de substituir o sexo convencional por completo e que sejam praticadas ESPONTANEAMENTE pelo casal, sem prejuízo para ambos e terceiros; havendo mesmo muitos que advogam que o sadomasoquismo praticado por casais não sejam mais rotulados como parafilia.

O sexo como atividade humana, não se prende a um modelo único, como o modo correto de ser feito, rotulado de normal; ele abarca certo grau de subjetividade e fantasia que tal ideia não pode conter. Sendo que o que se convencionou de normal dentro da sexualidade humana, como a ideia católica do sexo apenas para fim de procriação, revela-se como uma ideia equivocada e, como mostra a história, mesmo perigosa. O sexo possui, por exemplo, como é visto no reino animal, papeis que vão além da própria procriação, ele promove a sociabilidade entre os indivíduos, e uma hierarquia social, natural, que identifica no líder a coerção do grupo, etc., comportamentos fundamentais para a manutenção da vida de muitos animais, inclusive o homem.

Dentro de um rígido sistema moral, a transgressão passa a tornar-se um elemento fundamental, pois mesmo que a única lei que vigorasse na natureza fosse a lei da força bruta, tal lei não seria causa de perversões sexuais, já que a transgressão, como elemento principal, deflagrador da perversão, não existiria, pois para que houvesse tal elemento, seria preciso que o sujeito transgredisse leis morais. O que só pode existir em sociedades com definido e rígido sistema moral. Aí está a grande sacada de SADE: as perversões são frutos da sociedade. De uma sociedade que ao proibir o que é natural no homem, como o desejo sexual, acaba, enfim, por intensificá-lo. Pois, bem sabemos que, tudo que é proibido é mais procurado.