De quem é a culpa?

quarta-feira, 8 de junho de 2011

ALTERAÇÕES NÃO SALVAS QUE SERÃO PERDIDAS (de Marcos Salvatore)



(...) quando chegaram dois amantes abraçados
se sentaram na escadinha do cais do porto:

pôr-do-sol, embriaguez, garrafas de vinho quente
campeonato de cuspe à distância
reunião com aliança em boa hora
átrio de bolas de sabão
- cuidam-se bem, cuidam-se bem

dois fora de alcance
atmosfera demais por não saber do que se é capaz
uma porção de problemas - um monte
é o mundo de ontem, lá fora, no mesmo alvoroço

entregues ao corpo

às palavras batidas ao vento
como um tapete empoeirado
de desejos e destinos separados

se isso existir mesmo
assim como Deus
ou aquelas alterações não salvas que serão perdidas

não alcançam mais um pouco de vida
ensinam a dominar a terra
pouco a pouco, demais por não se ter do que correr atrás
um melhor lugar pra se encaixarem

praça da república, domingo, toda a gente, capoeira, música, palhaços, teatro, feira de artesanato, quadros, livros, coisas antigas
bosques, tarde, caminhando descalços, queixos unidos à novidade da língua (...)