De quem é a culpa?

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

TOURO (CHATO. EU?)

Trilha Sonora: Todo Errado – Jorge Mautner & Podres Poderes – Caetano Veloso.

O BILHETE – 10h.

- Bom dia!

- Bom dia, senhor.

- Por favor, eu quero uma passagem de camarote para Belém.

- O senhor quer uma cama?

- Não! Camarote mesmo.

- Não vendemos camarote, senhor, vendemos cama.

- Como assim?

- É o seguinte: nós temos passagens para rede e para cama.

- Mas no barco que eu vim, eu comprei camarote. Neste não há camarote?

- Há, senhor. Mas é que no camarote há quatro camas, aí o senhor compra uma delas. Entendeu?

- Quatro camas? No que eu vim havia apenas duas. E era camarote.

- Não! O senhor veio numa suíte, então.

- E nesse barco, não há suíte?

- Há, senhor.

- Então eu quero uma suíte.

- Como lhe disse, na suíte há duas camas. O senhor tem de compra a suíte inteira.

- Por que isso? Eu estou sozinho. Não preciso de duas camas.

- Infelizmente, senhor, só posso vender a suíte inteira.

- O que um passageiro sozinho precisa fazer pra viajar numa suíte? Ficar aqui em prontidão esperando que outra pessoa resolva comprar passagem?

- Desculpe, senhor. Mas só posso vender a suíte inteira.

- Então me venda mesmo o camarote.

- O senhor quer dizer uma cama?

- Linda, se sou apenas uma pessoa e estou comprando uma passagem no camarote, não fica subentendido que eu estou querendo apenas uma cama?

- É que, no camarote, nós vendemos camas, senhor.

- Ah...então eu posso levar a cama?

- Não, senhor!

- Ok! Tu do bem! Me vende então uma cama. Fazer o quê? Mas... no camarote!

...

- Sua passagem, senhor.

- Que horas sai exatamente o barco? Preciso calcular o tempo de viagem.

- Às 18h, senhor. Mas há uma tolerância de meia hora.

- Sei. Ele sai as 18h e 30min, né?

- Não! Na sua passagem, a hora marcada é às 18h.

- Escuta, querida, ele sai deste porto mesmo ou eu preciso nadar até a outra margem?

- Sai daqui mesmo, senhor, às 18h.

- Aff!!

O CAMAROTE – 18h 15min.

Um senhor que comprou uma das camas...

- Boa noite!!

- Olá! Boa noite.

- Escuta! Você vai aí nessa cama?

- Sim. Esse aqui não é o camarote nº 9?

- É... mas... você vai ficar aqui ou vai sair?

- Por quê?

- Porque eu quero dormir.

- E daí? Durma ué!

- Se você ficar entrando e saindo, não conseguirei dormir com o barulho.

- Desculpe-me, meu senhor, mas não vou deixar de ir ao banheiro ou fazer qualquer coisa que eu tenha direito nesse barco só porque o senhor quer dormir.

- A tua sorte é que eu tenho sono pesado!

- Minha, não! Sua.

UM PASSAGEIRO DE MEIA VIAGEM – 2h 33min.

No meio do rio, o barco diminui a potência para um embarque de um passageiro.

- É sempre assim? Um barco encosta no outro para o embarque dos passageiros?

- É... e a viagem de lá pra cá foi horrorosa. Choveu e balançou bastante. Pensei que fosse morrer.

- Você está vindo de onde?

- De Bagre.

- Como é lá?

- É uma cidadezinha. Muito pequena. Só há três restaurantes e neles não vende filhote.

- Porque é Bagre.

- Não entendi.

- Deixa pra lá... Quer dizer que a viagem até aqui foi ruim?

- Puta merda! Não quero nem pensar!... E nesse barco aqui também é muito escroto. De vez em quando, ele arrasta em um banco de areia.

- Esse aqui?

- Sim! Olha! Olha! Tá sentindo? Tá sentindo ele arrastar?

- Não, cara, não tô não. Aqui é fundo.

- Mas ele arrasta. E pode até virar. Pode crer!

- Amigo, ao viajar de avião, você só fala em tragédias?

- Não. Por quê?

- Você está fazendo isso aqui.

- Foi mal. Vamos mudar de assunto, né?

- Acho bom!

O DESEMBARQUE – 5h 50 min.

A esta altura, já havia voltado para o camarote, mas não consegui dormir porque o senhor que não queria barulho roncava só como ele mesmo. Forma-se uma confusa fila para desembarcar...

- Por favor, amigo, não empurra.

- Então vai logo que eu quero descer.

- Eu também, porra!. O senhor não está vendo que há várias pessoas na minha frente?

- Ô povo lento!

- Diga isso a eles, mas não empurra...

O sujeito continuou resmungando atrás, mas agora três posições depois de mim. Resolvi ignorá-lo.

O TAXISTA – 6h 20 min.

Desembarque movimentado. Os taxistas disputavam os passageiros e vice-versa. Até que consegui um que, para meu azar, escutava um tecnobrega...

- Bom dia!

- Bom dia! Almirante Barroso, no Marco, por favor.

- Ok!

- O senhor pode desligar o som?

- Não gosta de brega?

- Detesto!!

Segundos depois...

- Foi boa a viagem?

- Conturbada!

- O barco chegou agora?

- Se o senhor não tem o que dizer, não pergunte!

- Opa! Desculpe.

- Tudo bem. Desculpe-me o senhor. Só estou com um pouco de sono.

- Eu entendo...

- Nesse horário ainda é bandeira 2?

- É! Bandeira 1 só a partir das 8h.

- Tem algum desconto?

- NÃO!

Taxista chaaato!...

(Por Fabio Castro)