De quem é a culpa?

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

O PONTO CRUZ (de Marcos Salvatore)


É assim que eu sou
Você não é

Nem vou ficar te alugando
Ando desapegado
Não é assim, que se diz?

Abnegação
Altruísmo
Desambição
- Deveria ser mais fácil

Lá de não sei das quantas “nunca é tarde demais para começar tudo de novo”
Detesto fazer citações sem nome do autor
Mas não o conheço

Lá na rede todo mundo tá feliz
Tantas Bad trips,
Altas presenças suculentas
“Não sei das quantas”

Cosmogonia luxuosa
Cama pobre e tosca
Catre intenso de acordos escusos
- De que noite dessas eu saí?

E a cidade está confusa lá embaixo
Fascinada pelos detalhes sórdidos
Ponto cruz insipiente
Circo social, indigesto

Me assusta
A mim,
Forte no amor
Protegido sem querer

(...)
Mas só consigo dizer isto, agora, digo mesmo:

Estou em casa
Que é onde você devia estar
Não é longe, quase outro país BR adentro
Venha, se quiser

Porque somos o mesmo tipo de pessoa largada
Tenho vinho...
Alguns enlatados, macarrão no alho e óleo
Instantâneo

Eu tô aqui
Venha mais tarde