De quem é a culpa?

quarta-feira, 26 de março de 2014

Diabo do Agora

(por Marlon Vilhena)

Trilha Sonora: Hurt (Nine Inch Nails, mas na versão tristíssima do Johnny Cash.



É o dia, irmão.
É o dia que começa minguado
levanta cai
levanta
         cai
         e toda a realidade sufoca dentro de um saco de lixo.

É tudo sempre o mesmo filme em sépia
a velha escola do respira-expira
com uma garrafa de café extra forte à beira da cama
ou quem sabe uma bala de hortelã
pra fingir
pra fingir que ainda têm jeito
         aquelas cartas
         aqueles beijos
         aqueles caminhos
pra fingir que ainda têm jeito mesmo
         aquelas ligações não completadas
         aquelas palavras borradas debaixo da chuva
                 da vida esticada até se ouvir um estalo perfeito
                 ou o suspiro no final de um segundo.

Como dizia a molecada da infância quando queria
roubar doce na venda do velho no outro quarteirão
cheirar calcinhas nos varais
arrancar sangues e dentes nas peladas —
não esquenta que a hora chega.
Com lágrimas ou amanhã ou depois de amanhã, mas chega.
É.
Só que esquenta sim, irmão
         fica pelando, pode crer.
O tempo é linear em quantas teorias calculadas
não aqui dentro
e aqui dentro é dia e noite
explosões e fissuras temperadas no caos.


É o diabo do agora que não bate à porta, irmão.