De quem é a culpa?

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Anorexa, Tu! - 2ª Parte(de Marcos Salvatore)



Sonhei com dunas e agora acordo com a  baía lá fora, tão perto daquela cidade, com a sua identidade panorâmica, curvas de um cais, madeira da embarcação em atrito com a escura água, gerando dobras à revelia, como bucetas ingênuas de seu tato tripulante, seu relevo, sua relevância hereditária, sua função. A estátua de um Cristo indiferente contempla o pôr-do-sol, de costas para a aldeia e sua gente, tentando limpar seus olhos da tempestade de areia. A ausência inflama e excita, é pungente. Desorienta, ressente a memória confusa. E eu não sabia que o rio era assim. O único peso sou eu, incosciente, colidindo contra rochas inexistentes. Minha pele tem odores diversos, e a transpiração e as batidas do peito me impulsionam para o esquecimento. Não me lembro de nada, de nada. Tudo que sinto é a falta dela, da pele dela, do que escorria pelas suas pernas em contato com a minha língua e lábios e dentes; de uma coisa qualquer passada a mim ás pressas. Deixo que falem para ter tempo de pensar no que dizer. O que me torna meio estúpido, como um de dois gêmeos que não sabe qual dos dois quer ser. Até meu coração... pulsa em silêncio.

O DIA DAS MÃES

Depois do interrogatório, Seu Iraque, digo, Eráclito, havia chegado a várias conclusões: Vila assistia muito CSI e Doutor House, Castro queria ver sangue e não entendia nada de Rock, Aloísio não saía do telefone porque se apaixonava a cada quinze minutos, Bocage andava comendo Dona Aldenora, que por sua vez era ninfomaníaca e o rapaz desmemoriado se chamava Sávio.
- Mas que porra de nome de cachorro é esse? (...) Tomara que minha mulher não descubra que eu ando bebendo escondido. (...) Sem identidade. Ô Vila, e o local do crime?
- Bem guardado Doutor. A porta estava arrombada, passei um cadeado. Estou com as chaves. Ninguém entra nem sai de lá.
- E o presunto, porra? Quero saber do presunto.
Entra o soldado Aguinaldo. Traz consigo, arrastadas pelos cabelos, duas senhoras.
- Tá aqui “Dotô”, aquelas duas do puteiro de mães.
- No, no. Minha senhora, como é que vocês me vêm com essa? Imagina. - mastiga uma pedra de gelo - Seduzir crianças deficientes?
Aguinaldo explica, em detalhes, que existia um revezamento entre as mães para satisfazer sexualmente os filhos (e filhas) umas das outras. A polícia chegou descendo a rimpada em todo mundo e encontrou essas duas sendo enrrabadas por dois garotos com síndrome de down.
- Tá tudo errado – desabafa o Delegado. Recolhe, recolhe. Mas antes deixa as duas uma meia hora no xadrez das entendidas. Ô Aloísio, sai do telefone, Aloísio.
De repente as duas mulheres de jogam no chão e começam a pegar santo. São rapidamente seguradas por Vila e Castro. Bocage e Dona Aldenora correm e se trancam no banheiro. Seu Iraque, digo, Eráclito, pega uma cadeira pra se defender. Soldado Aguinaldo faz o sinal da cruz enquanto Aloísio calmamente faz balões com seu chiclete. O garoto permanece imóvel.
Enquanto as duas se viram do avesso grunhindo e babando, Aguinaldo, correndo para trás da mesa grita amarelado para o delegado: - E agora “Dotô”?
- Agora? Chama a merendeira. A merendeira, porra!
Aguinaldo dá uma carreira escorregando pelo corredor e traz consigo uma mulher pequenina: era a Dona Bajica; cabocla do Marajó, parteira, mãe de quinze filhos, viúva de três maridos e médium não desenvolvida. Estava com uma maquiagem carregadíssima, pois já estava de saída para vender vatapá, tacacá e caruru num baile da saudade. Chega muito invocada:
- Que foi, Culhão? Não tá vendo que já vieram me buscar na bicicleta.
Depois de virar o copo de “suco” todo de uma vez e soltar um arroto de ópera, Seu Iraque, digo, Eráclito, explica o caso das coroas possuídas em questão.
Dona Bajica examina e consegue decifrar o que estava acontecendo. Pergunta pra uma das duas: - Que merda é essa, porra?
- Eu sou um “espríto”, eu. Quem manda aqui sou eu. E eu vim fazer estrago, eu.
- Isso eu já sei. Quero o nome. – “Que caralho, ainda perco essa carona”. Vai pagar meu táxi, Iraque.
- Eu... me “mataro”, eu. Me “mataro” lá nos Estados Unidos. Mas eu não morri. Como eu não morri, eu fiquei assim, andando à toa, por aí...
Enquanto ouviam a conversa toda, Castro fala baixo para Vila: - Olha aí, dos Estados Unidos. Aposto que esse também é a favor da divisão do Estado.
- Tá escuta, só. Um gringo. Sei, sei. E tu te agradou dela e coisa e tal. Fez ela de Xuxa pra comer a criançada. E a outra? Sim, você, que quase não fala, só fica aí babando.
- Eu sou outro “espríto”. Eu era vizinho desse daí nos Estados Unidos.
- E cadê o sotaque, merda? Enfiou no cú? Ô Culhão, pode sentar a peia que isso aqui é tudo truque de piva.
As duas se olham e tentam correr. Mas Vila e Castro descem o tapa em cada uma e saem arrastando aos pescoções pro xadrez das angolanas. Aloísio, mesmo no telefone também dá “uns copinho” nas tias. Aguinaldo se benze de novo, quando dona Bajica se aproxima do garoto e acaricia os seus cabelos com uma ternura de mãe, diz algo em seu ouvido, depois se espreguiça e sai.
- Humhum. Pois bem. Minha Avó sempre dizia que as pessoas enlouquecem por uma boa razão, mas isso é outra história. Mas continuando Vila, e o cadáver lá na cama?

O CASO DO SÁVIO

- Fizeram o diabo, depois esganaram. Sinais de luta, sodomia, vestígios de maconha e pó. A cama suja de merda e mijo, por causa do sufocamento. O garoto só portava uma beata de maconha, provavelmente não era dele, a arma era de brinquedo e nenhum vestígio ilícito, ele está limpo, apenas álcool. Sinceramente não faço idéia de como ele chegou até lá, nem porque correu. Provavelmente estava no lugar errado na hora errada. É preciso mais de uma pessoa pra fazer o estrago que foi feito.
- O garoto não se lembra de nada. Mas ele é a chave. (...) ô Aloísio, larga o telefone e vem aqui.
- Só um minuto “Boss” (...) Tchau princesa, tenho que ir... não, desliga você primeiro... não, desliga você... você primeiro... manda um beijo com barulhinho... Hum... Pois não, Doutor.
Castro acende um cigarro emprestado de Vila (estava tentando parar de fumar), dá uma baforada e sugere:
- Na minha opinião, é tudo licença poética do moleque. Vamos dar um samba que ele vai dizer até o resultado da loteria de amanhã.
Aloísio intervém: - “Calma, Mêu. Pra mim tá na cara que doparam o garoto pra ele entrar pelo cano. Concorda Senhore?”
Bocage, que vinha da outra sala com Dona Aldenora, que retocava o batom, arruma a gravata e define triunfante:
- Trago comigo a solução para vossas senhorias. Depois do meu Tranca Rua muito conjeturar aqui com a Pomba Gira da Dona Aldenora, cheguei a conclusão de que devemos reconstituir o crime.
Seu Iraque, digo, Eráclito, olha para os outros:
- Como assim? Mas o pequeno não lembra de nada.
- É simples. Basta que o suspeito nos diga o último lugar onde esteve e partimos em diligência à paisana, à cata de pistas e novas evidências. Aposto uma grade no Mauro que provo a inocência do réu até de manhã.
- Disfarçados? - pergunta Vila, preocupado. Uma grade?
- E desarmados, pra não gerar suspeitas. Tudo na limpeza.
O delegado andava de um lado para o outro: - “Hum, pode dar certo. Tá fechado. Mas vamos precisar do Wanderley. É o melhor investigador do pedaço, conhece todos os puteiros da cidade”. Ô Aguinaldo, vai até a Tabajara buscar o Wanderley (...) e diz pra ele não se esquecer da “cannabis que te cativas”, ouviu? Da pintada.
- Garoto. Qual o último lugar que você lembra de estar?
Sávio se levanta calmamente, tira a camisa e as enormes cicatrizes ficam à mostra. Cicatrizes só comparáveis às causadas por tortura institucional. Olha para todos, sem medo.


CONTINUA...