De quem é a culpa?

sábado, 19 de abril de 2014

POEMA DE PÁSCOA

(trilha sonora: Bob Dylan, Tomorrow is a Long Time)


Então já são dois mil de ressurreição?
Então já são dois mil anos
daquela ascensão?
Então a espera já dura dois mil anos...

Seja como for:
nos foi deixada a responsabilidade
de sermos felizes enquanto esperamos
o que não tem data
o que termina o tempo
e o que o recomeça.

Se assim é
Somo às estes dois mil anos
o meu parco tempo
mais modestamente contado
de 365 em 365 dias
imperfeitos.

Somo a esta espera
minhas míseras muitas
mortes e ressurreições
estaqueadas em minh'alma:
minhas múltiplas mortes
vívidas nas minhas escolhas;
meus múltiplos lutos
fundadores de minha memória,
e minhas várias ressurreições
das quais eu só continuo um Eu
por mero hábito.

Sei
que em cada pequena ressurreição
me permiti rir e chorar de alegria
por ter trocado de pelo
por ter trocado de pele
e por ter girado minha alma
em um caleidoscópio de dor
de aprendizado
de música
e mesmo, eventualmente,
de amor por corpos
que me me abriram portas
para o desconhecido.

E, em cada pequena ressurreição
quebrei mais um limite
que eu julgava impossível ultrapassar
e, surpreso comigo mesmo,
ri e me alegrei
por ter produzido
entre uma Páscoa e outra
renascimentos seguidos
às minhas mortes cotidianas
trabalhando minha alma de cera
já tão crivada de mundo
insistindo
até que, um dia,
desgastado da alegria de renascer
meu corpo finalmente descanse
na cama da Terra
na cama das águas
na cama da Vida
enquanto outros anseiam
pelo Recomeço
do tempo.

(Renato Gimenes)